quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Butsudan

Editei um vídeo especial sobre o Butsudan e os oferecimentos ao Gohonzon, usando a apresentação feita pelo Sandro Ribeiro do Site As Mais Belas Histórias Budistas. A narração é da amiga Adressa Koetz e a trilha sonora é Big and Silent Waves, da banda Pass Into Silence.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

O Sutra do Lótus, versão Portuguesa

Quer ler o Sutra de Lótus na íntegra?
Encontrei uma versão Portuguesa feita por Marcos Ubirajara de Carvalho e Camargo, que 
traduziram The Wonderful Dharma Lotus Flower Sutra, que por sua vez foi traduzido do original em chinês por The Buddhist Text Translation Society in USA.


Para ler e/ou baixar, é só clicar aqui ou aqui


segunda-feira, 26 de junho de 2017

Por uma vida mais Zen - Matéria do Jornal O Globo 12/06/2017



TRECHO DA MATÉRIA DO JORNAL O GLOBO DE HOJE, NA QUAL CITA A BSGI: 

Em contraposição ao silêncio das correntes zen e tibetana, o Nichiren Daishonin segue uma proposta mais grandiosa. A sede central, no Méier, abriga salas para reuniões e um templo com capacidade para mil pessoas. A elocução sequencial do mantra chamado "Daimoku", segundo a crença, é o que faz os adeptos da prática se conectarem com o universo e desenvolverem seu potencial. A oração acontece, principalmente, em grupo, para que a reunião da fé ajude os praticantes a ultrapassarem suas barreiras.

No Rio, a vertente Nichiren está presente na Associação Brasil Soka Gakkai Internacional (ABSGI), que atrai cada vez mais integrantes. Em 2016, o crescimento foi de 20%, e o número de seguidores chegou a 16 mil apenas na capital fluminense. A instituição está presente em sete cidades do estado e há previsão de chegar a pelo menos mais três em 2018. Os adeptos se associam à organização e participam de palestras, estudos sobre os ensinamentos do budismo e atividades culturais e esportivas, além de serem responsáveis por angariar mais pessoas para a doutrina. Cada associado faz uma doação de no mínimo R$ 10 a cada três meses para ajudar a manter a Soka Gakkai.

— A grande procura acontece porque as pessoas querem ter esperanças neste mundo caótico. E essa propagação é fruto da transformação do budismo na vida das pessoas — diz Wallace Moura, coordenador da ABSGI.

Segundo os seguidores, é comum praticantes deixarem a dependência química e superarem depressão depois de entrar para o grupo. Um adepto que prefere não ser identificado afirma que abandonou as drogas após cinco meses intensos de prática.

— Comecei a orar e estudar os ensinamentos. A partir disso, cultivei uma força a ponto de conseguir lutar contra a dependência. Não segui nenhum tratamento. Me senti fortalecido, voltei a trabalhar e terminei a faculdade —relata ele, que hoje é advogado e professor de Direito numa universidade privada do Rio.


segunda-feira, 19 de junho de 2017

Budismo no Sitio do Pica Pau Amarelo

Hoje posto uma curiosidade que me chegou pela amiga Janete: uma cena do Sitio do Pica Pau Amarelo com Budismo e Daimoku!
Dona Benta dando aula de tolerância religiosa!


sábado, 11 de fevereiro de 2017

Gongyo + 30 minutos de Daimoku

A prática completa da Liturgia da BSGI, com o Gongyo seguido de 30 minutos de Daimoku. Especial para os que querem um incentivo extra para 1 hora de prática diária!
Você pode acompanhar com a Liturgia abaixo, ou fazer o download da Liturgia e/ou do Mp3 clicando na(s) seta(s) para baixo. 
⬇︎


30 minutos de Daimoku

Novo mp3 com 30 minutos de Daimoku. Para quem quer fazer 1 hora por dia, é só recitar junto pela manhã e pela noite.

sábado, 20 de agosto de 2016

Dez Fatores da Vida (junyoze) - por quê recitar 3 vezes?


Quando recitamos o Gongyo, repetimos três vezes o trecho final do capítulo Hoben — “Sho-i-sho-ho. Nyo-ze-so. Nyo-ze-sho... Nyo-ze-hon-ma-ku-kyo-to” —, por quê?
A recitação por três vezes do trecho final do capítulo Hoben é associado a dois importantes princípios budistas: Três Verdades e Três Propriedades Iluminadas do Buda.

Nesse trecho, o Buda Sakyamuni expõe “a essência real de todos os fenômenos” e os “Dez Fatores da Vida” (junyoze). Podemos dizer que essa é a parte mais importante do capítulo Hoben (Meios) do Sutra do Lótus, e explica que todos os fenômenos e toda a vida existente no Universo manifestam os Dez Fatores, que são: 1) Aparência (Nyo-ze-so), 2) Natureza (Nyo-ze-sho), 3) Entidade (Nyo-ze-tai), 4) Poder (Nyo-ze-riki), 5) Influência (Nyo-ze-sa), 6) Causa interna (Nyo-ze-in), 7) Relação (Nyo-ze-en), 8) Efeito latente (Nyo-ze-ka), 9) Efeito manifesto (Nyo-ze-ho) e 10) Consistência do início ao fim (Nyo-ze-hon-ma-ku-kyo-to).

O fato de recitarmos três vezes está baseado em uma declaração do Buda Original na escritura “A Doutrina de Itinen Sanzen”, conforme explana o presidente Ikeda na Preleção dos Capítulos Hoben e Juryo - PHJ - (pág. 129). Ler os Dez Fatores três vezes significa manifestar as três verdades da não-substancialidade, da existência temporária e do Caminho Médio em nossa vida. 
Significa também manifestar as três propriedades iluminadas do Buda, isto é, a propriedade da Lei, da Sabedoria e da Benevolência. 
Além disso, Nichiren Daishonin declarou: “Há maior benefício em ler três vezes (essa passagem).” 
O presidente Ikeda complementa então na Preleção: “Em síntese, lemos o trecho três vezes para proclamar que nossa vida é a de um nobre Buda e para aumentar os benefícios da fé.”
Brasil Seikyo, Edição 1711, 16/08/2003



Por outro lado temos o principio dos Três mundos ( ou Três Domínios da existência, ou Três Princípios de Individualização da Vida ) foi publicado na coluna BVD do Brasil Seikyo, Edição 1726, 06/12/2003 - "Três mil mundos num único momento da vida (itinen sanzen)” conforme reproduzido a seguir:

Quais são os Três Princípios de Individualização da Vida? 
Os Três Princípios de Individualização da Vida, ou Três Domínios da Existência, são:
1) Domínio dos cinco componentes da vida: 
· Forma: Indica o aspecto da vida, que possui atributos como forma e cor. Inclui também os órgãos dos cinco sentidos — visão, olfato, audição, paladar e tato — pelos quais percebemos o mundo exterior.
· Percepção: É a função de receber as informações externas pelos seis órgãos sensoriais — os cinco sentidos e a mente, que integram as impressões sensoriais. 
· Concepção: Essa é a função pela qual a vida compreende e elabora idéias sobre aquilo que foi percebido. 
· Volição: Significa a vontade de agir com relação àquilo que foi percebido e sobre o qual foi concebida uma idéia.
· Consciência: Essa é a função da vida de discernir fazendo avaliação, distinguir o bem do mal etc. Ao mesmo tempo, ela age para apoiar e integrar as demais quatro funções.
2) Domínio dos seres vivos ou ambiente social: Indica uma verdade comum de que vivemos nossa vida conjuntamente com outras pessoas, por exemplo nossa família.
3) Domínio do ambiente ou ambiente natural: Significa o lugar onde os seres vivos habitam (o espaço) e do qual dependem para resolver suas atividades vitais.
Os Três Domínios da Existência não devem ser vistos de uma forma isolada entre si, mas de forma integrada, os quais manifestam qualquer um dos Dez Mundos.
Agradecimento especial ao Sr. Paulo Endo e Sr. Yoshinori Kanno do DEB (Departamento de Estudo do Budismo) da BSGI.