sábado, 7 de dezembro de 2013

Incentivo do dia

Todos os dias envio por email para o meu grupo de Budismo e alguns amigos especiais uma mensagem com o "Incentivo do Dia".
Se você também gostaria de receber tais mensagens, é só deixar o seu endereço de email nos comentários que incluo no meu emailing - pode deixar que ele não será publicado.
E não se preocupe, você pode sair da lista no momento que desejar, retornando o email com a palavra REMOVER no campo assunto.




quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Vá em paz Madiba!

Nelson Mandela, prisioneiro por 27 anos, derrubou o Apartheid, prêmio Nobel da Paz, tornou-se Presidente da Africa do Sul... mostrou com a sua vida que o impossível é apenas algo que ainda não foi feito.
Vá em paz Madiba!




"Nascemos para manifestar a glória do Universo que está dentro de nós.
Não está apenas em um de nós: está em todos nós. E conforme deixamos nossa própria luz brilhar, inconscientemente damos às outras pessoas permissão para fazer o mesmo. E conforme nos libertamos do nosso medo, nossa presença, automaticamente, libera os outros."
Nelson Mandela

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Nichiren Daishonin O Buda de Mappo

A história de Nichiren o Buda Original, contada para crianças. Produzido por voluntários para apresentação da atividade da Divisão dos estudantes de Curitiba em 2012.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Pesquisa Buda Na Web 2013

Em 2009 fiz aqui uma pesquisa que montei com intuito de saber de quem frequenta o blog qual as coisas que acham mais legais, as que não são tão legais assim, e outras informações Agora, em 2013, trouxe de volta a pesquisa e em breve divulgo aqui os resultados. Grato pela participação!


segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Gongyo de treinamento para iniciantes.

O post de hoje é um vídeo com o Gongyo no estilo Karaoke, especial para quem está começando na prática ou quer polir a pronúncia.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Qual a língua que recitamos o Gongyo?

Essa é uma dúvida comum a todos que se deparam pelas primeiras vezes com a recitação do Gongyo.
Recentemente entrei em contato com o DEB através do Sr Paulo Kyoshi Endo a fim de obter maior esclarecimento sobre essa questão - a língua que recitamos o Gongyo:

"Ao DEB:/Sr Paulo Endo.
(…)
O motivo para o meu contato desta vez é uma dúvida em relação ao Gongyo. 
Pelo que li, o Gongyo (hoje em dia) é formado por duas partes do Sutra de Lótus,  Hoben (meios) - o início da parte em prosa do 2º capítulo, e Juryo (revelação da vida eterna do buda) - o último trecho do 16º capítulo, em verso.
(…)
A dúvida é, o Myoho-renge-kyo é a tradução do sânscrito Saddharma Pundarika Sutra, 
que é o título do Sutra de lótus traduzido para o Chinês por Kumarajiva no ano de 406, correto?
Não seria chinês a língua em que recitamos o Gongyo?
(…)
Tenho um livreto com o Gongyo onde tem 3 séries de caracteres,
o de baixo é como pronunciamos, os 2 de cima seriam  japonês e chinês?"

Segue a pronta resposta elucidativa do Sr Paulo Endo, a quem agradeço mais uma vez atenção.

"Olá, boa noite.

Nós recitamos o Gongyo, lendo os ideogramas chinês (traduzidos por Kumarajiva a partir do sânscrito) em japonês. Como o japonês é originado do chinês, os seus ideogramas são originalmente os mesmos. Porém, o fonema da leitura dos ideogramas é diferente no japonês e no chinês. No livro do Gongyo que você menciona, a linha principal no meio são os ideogramas chinês. Na linha logo acima está descrita a forma de leitura destes ideogramas em japonês; e na linha inferior está descrita esta mesma forma de leitura em alfabeto português.

Os ideogramas chinês do Gongyo, se lidos por um chinês, os fonemas seriam outros (o próprio Myoho renge kyo seria diferente), mas ao recitarem o Gongyo, eles o fariam exatamente da mesma forma que nós o fazemos. Portanto, em qualquer idioma, o Gongyo é recitado exatamente da mesma forma.

Att

Paulo K. Endo"

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Gongyo em Português - 2.0.1

Essa é a versão 2.0.1 da gravação que fiz com o Bruno Padillha em 2009 com a tradução do Gongyo em português. Dessa vez adicionei os sinos no começo, meio e fim, troquei a música de fundo e criei um vídeo com imagens de flores de lótus, onde coloquei a legenda da narração do texto.



Esse trabalho já foi usado por outras pessoas que, em cima do áudio original que gravamos, criaram suas versões e que compartilharam com o mundo.

No Vimeo é possível baixar o vídeo em HD

Se preferir Youtube o link é: http://youtu.be/uMO3ZJB9k4Q

Se gostou dessa versão, por favor compartilhe com os amigos e conhecidos!

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Canecas

Olá pessoal! Estou colocando algumas artes que faço em canecas. Comecei com as Cexa's Insta Pics e agora decidi abrir o leque incluindo o Budismo de Nichiren Daishonin lançando 3 modelos.Infelizmente, a taxa de importação subiu muito, tornando o preço final inviável.


ESGOTADO










sábado, 5 de outubro de 2013

Daimoku é um tipo de meditação?

Como descrito no início do capítulo “Hoben”, do Sutra de Lótus, que recitamos todos os dias no Gongyo, Sakyamuni levanta-se serenamente de sua profunda meditação (samadhi) e começa a expor o ensinamento do Sutra.
Essa meditação consiste em concentrar a mente num único ponto para atingir uma condição de vida inabalável e nítida como um espelho, isto é, Shakyamuni entra em samadhi, ou meditação concentrada.
Mas isso não significa que, nos Últimos Dias da Lei (período atual), as pessoas devam se isolar nas montanhas e florestas e praticar a meditação ou contemplação sentadas.

Nitiren Daishonin, que lutou em meio ao povo para possibilitar que todas as pessoas atingissem a suprema iluminação, rejeita essas práticas como não condizentes com a época atual.




Hoje, a meditação concentrada (samadhi) corresponde à recitação do Gongyo e do Daimoku.
Não realizamos essa prática de meditação concentrada (samandhi) retirados nas montanhas e florestas, longe da sociedade.
Em vez disso, tendo como base a prática diária do Gongyo e do Daimoku, polimos nossa vida a cada dia, evidenciamos infinita sabedoria e coragem e atuamos na sociedade. Esta é a disciplina que estamos pondo em prática.

No livro Preleção dos Capítulos Hoben e Juryo, o presidente Ikeda explica: “A contemplação pela contemplação ou a meditação pela meditação não fazem sentido algum.
No Sutra Vimalakirti, Sakyamuni explana claramente que a verdadeira meditação não se refere a uma contemplação solitária debaixo de uma árvore, mas sim ao desempenho de um papel ativo na sociedade ostentando a verdade”.

E continua, citando um episódio da vida Gandhi, que se devotou à ação e à prática em meio às pessoas: “Afirma-se que Mahatma Gandhi respondeu a uma pessoa que insistia em levá-lo a uma vida de meditação: ‘Não tenho necessidade de me retirar em uma caverna para esse propósito. Carrego sempre a caverna comigo aonde quer que vá’”.


O Budismo não é uma religião que fecha os olhos para o sofrimento das pessoas, mas um ensinamento que abre os olhos delas. Portanto, o Budismo é o caminho que possibilita a todos tornarem-se felizes. Ficar em profunda meditação, desviar os olhos das contradições da sociedade e dos pensamentos seculares não é a verdadeira prática budista.
O verdadeiro espírito de meditação reside na manifestação de nossa sabedoria inata na sociedade e na luta resoluta por nossa felicidade e pela felicidade de outras pessoas, bem como para construir uma sociedade próspera.
Nitiren Daishonin levantou-se em prol da humanidade e revelou a Lei fundamental do universo — o Nam-myoho-renge-kyo — para que as pessoas pudessem praticá-la. Ele não passava seu tempo sentado em meditação concentrada. Ao contrário, enquanto se empenhava numa luta de vida ou morte contra os Três Poderosos Inimigos, dedicava-se de corpo e alma para escrever cartas e tratados a seus seguidores e para assegurar o eterno fluxo do Kossen-rufu, propagando essa Lei pela felicidade de todas as pessoas e para o bem da humanidade.
A ação de recitar o Gongyo e o Daimoku faz com que nossa vida brilhe com suprema sabedoria e avance ao longo do caminho de genuína vitória, partindo a cada dia do ponto primordial da vida para uma vigorosa jornada. “Dessa forma, estejam certos de que os membros da SGI, que oram com determinação de que ‘Lutarei hoje também’, ‘Farei o melhor amanhã também’, estão praticando a frase ‘levantou-se serenamente de sua meditação’ a cada manhã e noite”.

Fonte: Preleção dos Capítulos Hoben e Juryo, p. 53-55. 

terça-feira, 1 de outubro de 2013

A Vida do Buda Shakyamuni

Aproveitando a deixa da nova novela da TV Globo, Jóia Rara, posto aqui, mais uma vez, a versão dublada em português do excelente documentário The Life Of Buddha feito pela BBC, que mostra a história do Príncipe Sidharta na sua jornada espiritual que o tornou o Buda Shakyamuni, que significa literalmente Sábio do clã dos Shakya.

domingo, 18 de agosto de 2013

Exame de Budismo 2013

Mais uma vez o pessoal do Bloco Rio 2, do Rio de Janeiro, montou um blog para ajudar a quem vai participar do Exame de Budismo, com matérias, vídeos e simulados. Parada obrigatória para os que vão fazer a prova.
O endereço é blocorio2.blogspot.com.br .


domingo, 28 de julho de 2013

Uma resposta

Segue o relato de uma pessoa (seu nome foi adulterado para "Consciência") e a resposta dada pelo amigo Wanderson.
Alguns dados foram modificados, sem, porém, perder a essência. Qualquer verossimilhança e mera coincidência.
Assunto: A little help
Wanderson, olá.
Vi seu relato hoje no blog do Cesinha, Blog Buda na Web, que também encontrei hoje pela primeira vez.
Está sendo difícil me expor aqui. Se parecer meio confuso, leve em consideração.
Acontece que num movimento de desespero, resolvi pedir ajuda.
Me identifiquei muito com seu relato e por isto resolvi te escrever.
Também sou médium desde pequeno, passei por várias caminhos religiosos que também questionei e me incomodei. E hoje estou infeliz e me sinto meio perdido.
Minha primeira escola espiritual foi a Nichiren, eu era adolescente, ainda vivia com meus pais e em uma semana tive a possibilidade de ganhar o Gohonzon.
Fiquei super feliz, fui com meus pais buscá-lo e no retorno pra casa, como ainda vivia com meus pais e dividia o quarto, a chegada do Gohonzon virou um conflito sério... o devolvi na semana seguinte...
O tempo passou, me tornei Kardecista por tantos anos, depois Budista Vajrayana por mais outros anos, mas, minha vida está uma sucata!


Estou com depressão forte, já fiz um tratamento ayurvédico, terapias e nada. Meu terapeuta não acha que deva tomar remédios. Na verdade, eu detesto remédios. Mas no mês passado, acordei um dia com muita vontade de morrer e foi muito difícil.
Ela vai e volta, se camufla, melhora e volta. E assim como você, eu creio que o poder de sair disto, está em mim. Mas não sei bem como fazer.
Sei, hoje, com bem mais consciência, que onde estou é uma efeito de meus atos/pensamentos. Porém apesar disto, ainda não consegui dar  o "pulo do gato" e girar a situação. Continuo sem trabalho e com depressão.
Então, acordei hoje determinado a voltar a recitar o Nam-Myoho-Renge-Kyo, quase como um pedido de perdão também por ter quebrado "um voto".
Mas também porque ontem ouvindo o mantra e a Tina falando sobre a vibração do mesmo com o Universo e tal... fui lendo e voltei sentir a afinidade primeira que senti. O fato de nos igualarmos, ou seja, não estou rezando para o Buda e sua vida, mas para gerar boas vibrações no Universo, e isto inclui a mim e a todos. É uma pratica que posso fazer em casa sem depender de ninguém e que creio que poderá me alavancar para um estado de ânimo melhor.
Por conta da depressão e de falta de trabalho, me mudei para um lugar distante, então hoje tenho menos acesso a locais que costumava ter acesso fácil.
Bom, primeiro te agradeço o seu corajoso e sincero relato, antecipadamente agradeço sua atenção e gentileza e te pergunto algumas dúvidas.
Você acha que o fato de eu ter devolvido o Gohonzon pode constituir um mal karma? Que ainda reverbera na minha vida?
E que mesmo sem frequentar o budismo de Nichiren eu posso praticar em casa sozinho? Mesmo sem Gohonzon? E sem a liturgia e os livros?
Você tem alguma dica para me ajudar a ser corajoso e disciplinado o suficiente para não vacilar?
Que todos os seres possam ter a felicidade e suas causas.
abraços de gratidão,
Nam Myo Ho Ren Gue Kyo!


Olá Consciência, (o nome da pessoa foi omitido e trocado por consciência)
Que maravilhosa coragem em entrar contato comigo.
Ouvi muito atento seu pedido de socorro e com muita atenção para o que senti e vou te falar.
Você foi muito claro em seu relato, não me deixou em nenhum momento confuso. Também acredito que o seu "a little help" seja na verdade "a big help".
 Resolvi copiar e colar seu relato por tópico para melhor poder responder, haja vista que quero e estou à disposição para continuar esta conversar via skype ou facebook.

Vamos lá:
-----------------------------------------------------------------------------------------
Consciência: Estou com depressão forte, já fiz um tratamento ayurvédico, terapias e nada. Meu terapeuta não acha que deva tomar remédios. Na verdade, eu detesto remédios. Mas no mês passado, acordei um dia com muita vontade de morrer e foi muito difícil.
Ela vai e volta, se camufla, melhora e volta. E assim como você, eu creio que o poder de sair disto, está em mim. Mas não sei bem como fazer...
Sei, hoje com bem mais consciência, que onde estou é uma causa de meus atos/pensamentos. Porém apesar disto, ainda não consegui dar  o "pulo do gato" e girar a situação. Continuo sem trabalho e com depressão.
Por conta da depressão e de falta de trabalho, me mudei para um lugar distante, então hoje tenho menos acesso a locais que costumava ter acesso fácil.
Wanderson: Sou psicólogo e com alguma descrição do que você expôs da sua vida e baseado nisso posso te orientar em alguns aspectos.

- Primeiramente sobre a depressão: Depressão é uma doença muito séria, deve ser tratada com muita responsabilidade e você não deve sentir nenhuma culpa ou vergonha por ter depressão. Não é o fim do mundo e você não será a primeiro e nem a último a ter uma síndrome que hoje afetam milhões da nossa população.

- Você teve algum diagnóstico de depressão? Ou seja, alguém (profissional como médico ou psicólogo) falou abertamente que o que você tem é depressão, te falou isso com todas as letras? Um diagnóstico certo e sem margem de erro por um profissional certo e extremamente qualificado é muito importante para começar um tratamento. Trato alguns pacientes de depressão e sei como isso é muito sério, não podemos perder tempo.

- Seu terapeuta é psicólogo? Sei da eficácia dos tratamentos dito terapias alternativas, mas no caso da depressão sei como é indispensável a ajuda do melhor médico psiquiatra e de um qualificado psicólogo.
 
- Sugiro que possamos conversar mais em "real time" pelo messenger do facebook, pois assim posso tirar mais suas dúvidas e orientar naquilo que for possível.

- Quanto à medicação: Eu sei que se gripamos ou temos uma diarreia ou tosse, basta aguardarmos um tempo e tudo passa, melhora e a saúde é restabelecida. Mas digamos, se uma dessas doenças for acompanhada de muita febre, digamos, 40º, é óbvio que o tratamento exigirá um medicamento para baixar a febre. O mesmo digo para dores insuportáveis. Com a depressão é a mesma coisa. Se você desenvolve um certo número de sintomas que do ponto de vista médico é necessário o medicamento, não pense duas vezes em usar esse tratamento. Hoje existe ótimos medicamentos que tratam da depressão e eles devem ser usados em torno de um ano ou dois anos. Isso é necessário, não tem como vencer uma depressão sozinho, a medicina é resultado da inteligência do homem e devemos fazer uso da inteligência e não rejeita-la. No meu relato o que eu não pude aceitar foi o fato de eu estar usando lítio, eu fiz um curso de psicofarmacologia e sei que alguns medicamentos são o fim da picada. São medicamentos ultrapassados e ou que evidenciam que você chegou ao fim do poço ou seu médico não é bem preparado, você tem que ser ativo no tratamento, não ser totalmente passivo e aceitar tudo.

- Eu usei bons medicamentos e os uso às vezes, hoje em dia, visto que depressão não tem cura, tem remissão, e a qualquer momento pode voltar, temos que estar constantemente em vigília.

- Não sei o porque que seu terapeuta não te orienta a procurar um médico psiquiatra para consulta, no meu caso, eu trabalho em equipe multiprofissional e recorro a outros colegas profissionais para tratar o paciente como um todo. Mas não quero questionar os meios do seu terapeuta, não sei de absolutamente nada que está acontecendo na sua vida e muito menos no que acontece na terapia. Mas uma coisa é certa, para tratar depressão deve haver empenho dos dois lados (paciente e profissionais), os profissionais têm que ser altamente qualificados e o paciente altamente envolvido e responsável para seguir um tratamento com determinação que pode durar até dois anos. Não fique mais em dúvida de tratar ou não sua depressão ou saber de fato se é depressão que você tem. Não há outro caminho para você recuperar a sua alegria pela vida. Depressão é uma doença e não foi você que pediu para tê-la, logo para que lutar contra? Busque a cura.

- Entendo que sendo depressão uma doença séria, não basta só boa vontade ou força de pensamento para curar. Busque ajuda de bons profissionais como médico psiquiatra e psicólogo para tratar, a única coisa que depende de você para tratar é sua intenção e decisão, quero que nosso diálogo marque o ponto de decisão que você precisava para começar hoje a tratar sua depressão com quem realmente possa dar uma cura e fazer você voltar a ter uma vida normal.
-----------------------------------------------------------------------------------------


Consciência: Também sou médium desde pequeno mas não desenvolvi no sentido tradicional... O tempo passou, me tornei Kardecista.

Wanderson: Fui Kardecista por mais tempo e sei o que é ser influenciado pelos espíritos negativos, como sei como é ter mediunidade, eu tenho várias e ouça bem, não descarto nada, mas nada mesmo, do que aprendi no espiritismo. Foi tudo muito certo e maravilhoso e me ajudou e me ajuda muito hoje em dia. Foi uma escola para mim, me desenvolveu equilíbrio e auxiliou a eu estar mais em harmonia com minha mediunidade. O que coloquei no relato meu foi o fato de hoje eu ter uma outra filosofia de vida e minha crítica foi às pessoas que vivem pedindo um milagre com se ele viesse de fora, a doutrina espírita, todas as religiões cristãs, budistas, entre outras, são extremamente úteis, mas não podemos viver de religião, temos que viver internamente a nossa mais alta e pura espiritualidade e isso acontece no nosso mundo íntimo e interior, em qualquer lugar. Entender como os espíritos negativos afetam o nosso estado de saúde é muito importante e quando se tem depressão eu sei o quanto eles agem. Mas entenda, parafraseando Chico Xavier: "Não adianta retirar a sucata do ímã se o ímã continua atraindo a sucata", ou seja, aí entra o budismo, quanto fala que nós devemos elevar nosso estado de vida para poder evitar as influências dos maus espíritos. Não adianta só um trabalho externo com a pessoa, deve haver um trabalho interno que só a pessoa pode fazer, se não, não vale nada existir as melhores religiões, filosofias, ciências ou profissionais, pois elas não vão funcionar em nada, não serão melhores, pois quem faz alguma coisa ser melhor é a pessoa que faz juz através de sua dedicação e transformação de vida, de reforma íntima e comprometimento para consigo e para com os demais.
-----------------------------------------------------------------------------------------
Consciência: Acontece que num movimento de desespero, resolvi pedir ajuda... passei por várias caminhos religiosos que também questionei e me incomodei. E hoje estou infeliz e me sinto meio perdido. Minha primeira escola espiritual foi a Nichiren, eu era adolescente, ainda vivia com meus pais e em uma semana tive a possibilidade de ganhar o Gohonzon. Fiquei super feliz, fui com meus pais buscá-lo e no retorno pra casa, como ainda vivia com meus pais e dividia o quarto, a chegada do Gohonzon virou um conflito sério... o devolvi na semana seguinte... depois Budista Vajrayana por outros anos, mas minha vida está uma sucata!
Então, acordei hoje determinado a voltar a recitar o Nam-myoho-renge-kyo, quase como um pedido de perdão também por ter quebrado "um voto".
Mas também porque ontem ouvindo o mantra e a Tina falando sobre a vibração do mesmo com o Universo e tal... fui lendo e voltei sentir a afinidade primeira que senti. O fato de nos igualarmos, ou seja, não estou rezando para o Buda e sua vida, mas para gerar boas vibrações no Universo, e isto inclui a mim e a todos. É uma pratica que posso fazer em casa sem depender de ninguém e que creio que poderá me alavancar para um estado de ânimo melhor.
Você acha que o fato de eu ter devolvido o Gohonzon pode constituir um mal karma? Que ainda reverbera na minha vida?
E que mesmo sem frequentar o budismo de Nichiren eu posso praticar em casa sozinho? Mesmo sem Gohonzon? E sem a liturgia e os livros?
Wanderson: Veja que fato de comprovação da força do Nam-myoho-renge-kyo!: Quando você acorda determinado a recitar já houve uma boa sorte, pois fez você justamente buscar e na busca encontrar o blog do Cesinha, Blog Buda na Web e no blog a possibilidade de nós entrarmos num profundo e sincero diálogo onde eu quero muito, com a mais pura intenção dos Budas poder te ajudar. De fato, a única forma de nós elevarmos nosso  padrão de consciência, os dez estados de vida é estar em sintonia ou extremamente conectados com a Lei do Universo, mas, como podemos vibrar ou estar gozando do estado de vida de buda? Recitando o Nam-myoho-renge-kyo. Recitar o mantra faz com que se acumule boa sorte na sua vida e a partir daí aquele círculo vicioso de má sorte, depressão, pessimismo, pensamentos ruins e até o próprio karma negativo seja quebrado, momentaneamente. Veja: é como uma bola de neve, se nada for feito ela continuará a descer desfiladeiro abaixo e ficar cada vez maior, mas se houver alguma coisa que de um "stop" nela, é neste momento que alguma coisa pode ser feita antes que ela volte a rolar. Neste caso um bom balde de água quente poria um fim nesta bola de neve. Agora imagine outra situação: Um mergulhador precisa resgatar algo do fundo das águas. Ele está com um dificultoso trabalho em sua vida. Ele mergulha e mexe com a coisa e move muito pouco, leva cordas para amarrar e ser içado. Mas acontece que se ele ficar muito tempo lá embaixo ele morre sem ar. Então ele precisa, em tempos, emergir à superfície, para renovar o ar (seja do cilindro ou dos pulmões) e voltar para continuar seu trabalho. Neste caso, o pequeno momento que ele teve para receber novo oxigênio foi suficiente para o maior momento de seu trabalho, ele volta renovado para transformar a situação, com sangue oxigenado, cheio de energia e vida.
Nossas vidas são como a vida desses mergulhadores ou do operante da bola de neve. Precisamos em algum momento um pequeno tempo, um pequeno stop para que as coisas possam se reverter e possamos renovar nossas energias. Sem isso, nosso karma negativo se tornará eterno ciclo sem fim, nossas dores não cessam, e recitando o Nam-myoho-renge-kyo, é o "pulo do gato" que você está buscando.
Aprenda uma coisa, se me permite explicar: No budismo não existe culpa e pecado, risque estas palavras do seu vocabulário. Existe apenas karma, ou seja, existe apenas consequência dos nossos atos, causa e efeito. Então não existe perdão, já que não existe culpa ou pecado. Existe apenas o voto sincero do botisattva, o coração com a mais pura intenção. No budismo o passado não conta, o passado deixou de ser, vivemos só no agora, no presente, neste momento. Não importa em nada o que você fez ontem, nada mesmo, se você não fizer bem feito hoje. Não vale em nada acumular boa sorte até um minuto atrás se você não fizer nada para merecer e continuar acumulando, entendeu “Consciência”? O que vale é sua decisão, o que vale é o que você vai crer para sua vida agora, AGORA “Consciência”, está determinado a fazer diferente agora, a revolucionar sua vida AGORA? O futuro não existe, o passado é passado, são só lembranças e olha lá. O verdadeiro caminho de felicidade é estar vivendo plenamente o agora, o hoje o nosso presente, nosso PRESENTE. Gosta de ganhar presentes, pois a Lei nos presenteia a todo momento com o agora, nosso presente, nem com passado, nem com futuro. Tire proveito das duras provas que você teve até agora na sua experiência de vida, não veja as coisas ruins como algo muito triste e negativo, veja tudo como oportunidade para você se tornar mais forte, mais experiente e possa realmente comprovar a verdadeira vida de buda. 


Veja: se uma pessoa sempre "morna" comprovar que o Nam-myoho-renge-kyo realmente faz efeito em nada acrescenta para os duvidosos, mas se aquele que passou por dias negros da alma, a todo tipo de crise e dores, e tirou desta experiência não obstáculos ou sofrimento, mas a sabedoria de ver nelas uma OPORTUNIDADE para comprovar a eficácia do Nam-myoho-renge-kyo, nossa! esta pessoa sim é a melhor pessoa para dar um testemunho vivo, autêntico e inquestionável para até os mais descrentes da existência de que não estamos só, que a Lei Mística existe!
Se você tem ou não um karma negativo por ter devolvido o Gohonzon ou faz diferença ou não orar num lugar distante e sozinho? Deixa-me ver se consigo ser claro. “Consciência”, não vale nada, é inútil a pessoa se sentar diante do maior dos maiores Gohonzon dentro da maior sede, acompanhado por uma multidão e orar por mais de 24 horas o Nam-myoho-renge-kyo, se seu coração for falso. Os Budas terão ira sobre ele.
Se você tem dentro de seu mais íntimo ser, o respeito pelo Gohonzon, se seu coração fala que você não é falso com este sentimento para com os Budas, você é tão verdadeiro como a luz do sol e que ore um instante com extrema devoção o Nam-myoho-renge-kyo, saiba que você foi ouvido com muito amor até nos últimos confins do universo, sua voz chegou até lá e os Budas regozijam de alegria pelo seu despertar e iluminação. Não duvide disto!
Agora “Consciência”, simbolicamente, vamos imaginar que vou te passar para uma nova página. Não vou escrever nada nela. Agora é com você, ela está em branco, e você irá escrever o que vai ser, como será sua vida para os próximos minutos. Está nas suas mãos. Vamos lá?





















Então, sentiu o espaço em branco, ele pode ser colorido com as mais belas experiências de uma pessoa forte, lutadora, desbravadora que é você “Consciência”, ou pode aguardar até que um dia você desperte para a sua verdadeira essência, aquilo que realmente e verdadeiramente você é: um Buda.

Espero, dos mais profundo dos sentimentos de meu coração poder estar com você e ter podido ajudar. Meus mais sinceros desejos de boa sorte na sua caminhada “Consciência” e conte comigo. Não me agradeça com obrigado. Revolucione sua vida e já estarei sendo retribuído.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Novo Marcador de Livros

Depois de ter feito, em 2011, o 1º Marcador de Livros do Buda Na Web, achei que já estava mais de na hora de uma nova edição.

Se você gostou e quer receber gratuitamente um desses é só entrar em contato, postando um comentário com seu nome, email e endereço completo, que retorno com uma mensagem confirmando os dados e envio pelo correio.
Quer mais que um?
12 Marcadores - R$5,00 + frete.  Pagamento através de depósito no Banco Itaú.

Obs: A sua mensagem com seus dados não será publicada aqui no blog - somente eu terei acesso a tal informação. Caso queira deixar uma mensagem pública, por favor especifique, que posto preservando os seus dados.

sábado, 25 de maio de 2013

Diagrama Detalhado do Gohonzon

Já havia postado uma matéria sobre o Diagrama do Gohonzon, com um vídeo que montei a partir de um slide show do site as Mais Belas Histórias Budistas.
Para esclarecer mais, posto um novo Diagrama que montei com a tradução in loco para o Português dos dizeres do Gohonzon.


sexta-feira, 3 de maio de 2013

Slide Show - Hoben e Juryo

Hoje começo a postar uma série de slides shows em Power Point que tenho feito para as reuniões do meu bloco, o Alfadreams.

Para iniciar a série, a tradução para o Português do 
Gongyo.

Todos os dias, pela manhã e pela noite, recitamos duas partes do Sutra de Lótus, Hoben (meios) - o início da parte em prosa do 2º capítulo, 
Juryo (revelação da vida eterna do buda) - o último trecho do 16º capítulo,
em verso, chamado Jigague - que inicia com a frase "Ji-ga-toku-burai" e vai até o fim do capítulo, a frase "Soku Joju Busshin".
O termo "gue" do Jigague vem do sânscrito gatha, e significa "um verso que louva o Buda" ou "anuncia seus ensinos".

Você pode assistir em tela cheia, fazer download do arquivo em Power Point, obter o link para compartilhar, ou incorporar esse slide show ao seu site ou blog.
É só escolher entre as opções abaixo da janela.
Bom proveito!



sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Nam Myoho Renge Kyo - 南無妙法蓮華經 - Música

Hoje compartilho um vídeo musical de Tim Wheater, Natalie Shaw e David Lord com o Nam-Myoho-Rengue-Kyo.

 

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

100 dias de Gongyo

Hoje posto um gráfico para um desafio de 100 dias de Gongyo, proposto pelo Sr. Eiichi Sago, veterano do Rio de Janeiro, a fim de comprovar a eficiência do Budismo Nichiren através da prova real. São 100 dias de Gongyo, pela manhã e pela noite - sem pular nenhum dia - acompanhado de Daimoku.
Nas bolas ao redor da árvore estão assinalados o período da manhã e da noite. Abaixo tem um gráfico de Daimoku, com as pedras divididas em 4 partes, sendo sugerido um mínimo de 15 minutos, fazendo assim que cada "pedra" represente 1 hora.
Vá preenchendo as bolas a cada Gongyo feito, e marque o tempo de Daimoku no gráfico do rodapé.
Importante: sempre faça a quantidade mínima proposta de tempo de Daimoku - nunca menos!
O pessoal do meu bloco vai começar esse desafio na 1a reunião depois do Carnaval! Fica aqui como incentivo para que todos participem também!

Para baixar em tamanho original, click na foto e salve com o botão direito do seu mouse.